KIMÊ – Força de Impacto

Olá tocadores! Hoje escrevo sobre o termo KIMÊ (força de impacto).

 

No momento do impacto entre o bachi e o couro do taiko, entra em foco o KIMÊ, que é a contração muscular vigorosa e rápida que ocorre no final do movimento ou também pode ser considerada como a aplicação do máximo de força no mínimo intervalo de tempo.

 

No taikô, a atuação desta técnica influencia diretamente no som proporcionado pelo instrumento. Com a contração muscular ocorrendo no instante exato, o contato bachi/taikô fica definido, o som se torna mais nítido e o movimento se torna mais rápido. Por isso, essas qualidades são essenciais para a qualidade visual e acústica das músicas.

 

Dois problemas que ocorrem quando a prática do kimê não está correta são:

 

1)     Aplicação constante de força. Ou seja, não há descontração e contração posterior dos músculos e o movimento se torna visivelmente rígido, sem a leveza e agilidade.

2)     Falta de aplicação de força. Isto é visível e os movimentos praticados por tocadores que não aplicam força no toque aparentam falta de energia. E os tocadores aparentam falta de vontade de tocar, mesmo com sorriso no rosto.

Há também a técnica de antecipar o kimê, que é interromper o movimento imediatamente antes de se estabelecer o contato bachi/taikô. Sendo praticamente um controle do kimê, esta técnica tem que ser estudada e praticada com cuidado. A aplicação dela proporciona a diminuição da amplitude do som, sendo um grande recurso para diminuir o volume. O desconhecimento total de aplicação desta técnica proporciona o descontrole da força. O excesso de aplicação sem a devida conscientização torna-se um vício maléfico, com resultados praticamente opostos às obtidas com a técnica do kimê.

 

Para treinar o kimê são necessários exercícios específicos que envolvem velocidade, impacto, reflexo e força física. Mas isto, infelizmente, é difícil transmitir neste artigo.

 

Espero que tenham gostado deste artigo. Quaisquer dúvidas, e-mail!

 

Forte abraço!

Felipe Tamashiro

 

 

Deixe sua opinião sobre este artigo!


Nome:

E-mail:

Mensagem: