O Futuro é do Taiko?

Por Marcos Teruo Tanaka

 

Em 2004 instaurou-se a Associação Brasileira de Taiko (ABT), com o intuito de fomentar qualquer manifestação do wadaiko, mantendo a tradição e os valores morais dessa cultura japonesa.

 

Hoje cerca de 70 grupos de todo país estão associados à esta instituição e desfrutam da possibilidade de participar de festivais, workshops ministrados por professores especializados do Japão, treinamentos regionais, exames de proficiência técnica e do Campeonato Nacional.

           

No dia 27, de fevereiro de 2010, ocorrerá a eleição que determinará a diretoria que irá reger as políticas da ABT nos próximos dois anos. Uma decisão que afetará muitos grupos e traçará as futuras diretrizes para desenvolvimento do taikô no Brasil.

           

Em uma eleição é natural que os eleitores procurem votar nos candidatos que compartilhem e defendam seus interesses. Por isso, escolhem representantes que tenham a mesma visão, com boa reputação e propostas condizentes.

           

Na ABT, o processo de votação não é diferente, cada entidade possui o direito de votar no candidato que acha merecedor, sendo que este voto é praticado pelo coordenador ou representante de cada grupo de taiko associado.

           

A escolha de seu candidato, geralmente parte do princípio de votar em alguém que conhece sua filosofia, seu modo de vida e tem respostas para seus problemas. Sendo assim, se você é um tocador de taiko, quem você gostaria que representasse seus interesses? Um médico, um jogador de futebol, ou um tocador de taiko?

           

Faltando apenas uma semana, todos que amam a arte do taiko, lendo este artigo e preocupados com o futuro dessa cultura, agora estão se perguntando; quem são os candidatos para a presidência da Associação Brasileira de Taiko este ano? Quais são suas propostas? Quem é o presidente atual? Quem possui o direito de voto no meu grupo representa os valores desejados pelos tocadores? O que vai mudar afinal?

           

Na história política de nosso país, tivemos presidente sociólogo, pecuarista, jornalista, engenheiro, advogado, militar e hoje temos um sindicalista no poder. Eclético, não? No fundo não importa a profissão deles, porque apesar de vigorarem em épocas diferentes e terem plataformas de governo distintas, todos procuravam atender as necessidades do seu país, do povo brasileiro.

           

A ABT defende as necessidades do taiko. Desse modo, os interesses de qual povo nosso futuro presidente deveria escutar?  De um médico? De um jogador de futebol? Ou de um tocador de taiko?

 

 

Marcos Teruo Tanaka é Bacharel em Relações Internacionais pela FAAP, Coordenador do grupo de jovens líderes da Associação Brasileira de Taiko (ABT) e Líder do grupo de Taiko Houkou de Jundiaí-SP

 


Deixe sua opinião sobre este artigo!

Nome:

E-mail:

Mensagem: